O elefante não sabe a força que tem

Olhando os dados do IQVIA sobre unidades e faturamento de farmácias no Brasil notei o quanto as farmácias independentes estão acomodadas e sem planejamento de futuro.

Ainda somos o segundo lugar em faturamento e primeiro em unidade, mas aos poucos estamos perdendo essa colocação, pois o que mais vejo no dia a dia é reclamação das mudanças, porém, sem a realização de nenhuma ação para combater a concorrência.

Mudanças são inevitáveis e a inércia que estamos nos deixa cada dia mais distante dos concorrentes.

Já visualizamos e identificamos que a concorrência está crescendo e se distanciando muito das farmácias independentes através da gestão, indicadores e profissionalismo, mas acredito que um dos principais fatores deste distanciamento seja a inércia das farmácias independentes em não enfrentar essa concorrência de forma profissional, ficamos reclamando das condições que as grandes têm!

Ficamos olhando o que nosso concorrente, que tenta sozinho fazer alguma coisa, com criticas, dizendo muitas vezes que o mercado está prostituído, mas não mexemos uma agulha para mudar nossa realidade, queremos um Brasil novo desde que as mudanças não comecem por nós!

Queremos que o mercado volte ao que era 15 anos atrás e estamos vendo farmácias independentes não serem mais passadas de pais para filhos. Estamos iguais as estações de trem, solitárias e sem público, aguardando sabe-se lá o que.

Esse elefante precisa acorda, sempre há tempo, ficar parado não resolve o problema.

Quero motivar os donos de farmácias a não esperar que um herói venha soltar a corda para ele caminhar, quero incentivar ele a romper a inércia e começar a caminhar.

Estamos juntos.